Rumores - Revista de Comunicação, Linguagem e Mídias, Vol. 1, No 1 (2007)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Michel Foucault e a comunicação como acontecimento

Ciro Marcondes Filho

Resumo


No início, preocupado com a descontinuidade anônima do saber, Foucault vai atrás das teorias da representação; posteriormente, constatando a falência do discurso humanista, realiza, com o apoio de Freud, Marx e Nietzsche, sua “escavação das alturas” a fim de trabalhar o perverso embutido da linguagem e praticar o “pensamento a partir do exterior”. Sua proposta de pesquisar as estruturas subjacentes do saber convive em harmonia com a teoria dos incorpóreos que Foucault parece utilizar. Entretanto, nem tudo está bem explicado: seu enaltecimento da lingüística no século 20, com suas incríveis capacidades para matematizar e formalizar o pensamento, que a aproximam inequivocamente da totalidade do estruturalismo, não combinam com a pesquisa do acontecimento, de filiação estóica. Mais ainda: o sujeito, que ele pretendeu extirpar, continua a sobreviver na forma pulverizada; a liberdade, de herança sartreana, que ele apregoa, também é repressora e a noção de poder, central em suas obras, não parece ter sido totalmente desacoplada de uma visão metafísica.


Texto Completo: PDF

Rumores - Revista de Comunicação, Linguagem e Mídias e-ISSN: 1982-677X

Midiato - Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas (ECA-USP)

Avenida Professor Lúcio Martins Rodrigues, 443, Cidade Universitária, São Paulo-SP, CEP: 05508-900
rumores@usp.br

www.usp.br/rumores